sábado, 5 de dezembro de 2009

meu primeiro texto crítico de Arte

Estranho e engraçado saber como as pessoas te enxergam...


Paloma Perez
por Siegbert Franklin, novembro 2009.

Constrói a arte, o artista ? Ou é a arte que constrói o artista?

O percurso de Paloma Perez é absolutamente transparente para quem observa seu trabalho pela primeira vez…
Moda, designer, estamparia e arte…
Se buscarmos mais profundamente teremos até mesmo uma carga genética de grande peso na base de sua expressão , filha e neta de estilista e criador de moda Paloma tem a intensidade criativa e organização estética dos grandes estilistas, o olho do fotógrafo e do artista gráfico capaz de desconstruir e reconstruir coisas que para a maioria de nós expectadores parece fácil demais e ao mesmo tempo de uma simplicidade que é extremamente difícil de se conseguir, com maestria.

Vi desenhos, objetos, móveis, estampas, modelos, fotografias, pinturas, instalações, tudo com a mesma marca de sensibilidade e técnica invejável , técnica na qual a limpeza e a disciplina são marca registrada, mas não algo de difícil acesso ou de intocável pureza , mas que traduzem um espírito forte e coerente com valores internos e estéticos absolutamente pessoais e verdadeiros nas questões que tentam tocar e nos acertar em cheio com o pensamento do artista, com sua maneira de ver o mundo e os sentimentos, suas dúvidas e suas ilhas de tranqüilidade.

É difícil falar sobre alguém que a gente conhece e gosta como amigo, mas neste caso, me sinto absolutamente livre, já que dentre os qualificativos de Paloma Perez como artista e mulher, simplesmente é absolutamente clara a inter-atividade entre estas duas coisas, Paloma é resultado de seu próprio trabalho, e o trabalho de Paloma é ela própria, não da para separar as duas coisas .
É muito difícil ter a medida certa do acerto entre a beleza e o conteúdo, as verdades e poéticas de um criador e sua vida pessoal, e a sabedoria de se saber apenas um experimento perante o sol. Paloma tem isso sem vaidades nem imposições, apenas a tranqüilidade de saber por que faz e o que é.

2 comentários:

Ana Cristina disse...

Querida Paloma,

Percebo pelo pouco que te conheço que não és só "enxergada" dessa forma,(embora seja muito bom saber do olhar do outro), és de fato. Como o Sieg disse muito bem, és transparente, não precisamos conviver o tempo todo contigo para sentir a tua intensidade e a verdade que exerce em teus feitos, em tua vida. Parabéns!

beijo grande e sucesso no novo projeto!

Paloma disse...

Ana,

Obrigada pelas palavras...

Bj